Uma nova análise de dados globais mostrou que países com menor renda, onde o Brasil está incluso, têm uma maior probabilidade de serem afetados pelas mudanças climáticas e pela poluição tóxica. No estudo, foi elaborada uma lista de países de maior e menor capacidade de tomar atitudes diretas para a redução de danos decorrentes da poluição.

Este é um dos raros estudos que exploram a relação entre a renda dos países, a poluição e as mudanças climáticas. Para estabelecer essas relações, os pesquisadores analisaram três conjuntos de dados públicos que são usados com frequência: o  Índice de Adaptação Global (ND-Gain), o Índice de Desempenho Ambiental (EPI) e a Aliança Global sobre Saúde e Poluição (GAHP).

publicidade
Mapa mostra vulnerabilidade de países à poluição
Brasil tem vulnerabilidade de média para alta para os efeitos das mudanças climáticas e poluição. Crédito: Universidade Notre Dame

Eles encontraram uma forte relação entre a distribuição espacial do risco climático global e poluição tóxica. Os países mais vulneráveis às mudanças climáticas foram, em sua maioria, os que enfrentaram os maiores riscos de poluição tóxica. Os autores também observaram que fatores demográficos, ecológicos e sociais estão conectados e demonstram padrões de desigualdade.

Outros fatores que levaram esses países a serem mais afetados pela poluição e mudanças climáticas têm um aspecto mais político, como uma capacidade relativamente baixa para construir políticas ambientais e de fiscalização. No Brasil, por exemplo, apenas 13 multas aplicadas pelo Ibama em 2019 foram pagas por quem as recebeu, uma média de apenas uma por mês.

Alguns furos

Apesar de bastante completo, o estudo não captura todas as formas de dano ou risco potencial de poluição tóxica e mudanças climáticas. Os autores também observam que abordar esses impactos pode exigir uma avaliação mais detalhada dentro dos países já que alguns dos indicadores utilizados como base podem variar amplamente.

Leia mais:

Contudo, as descobertas imediatas apontam para a necessidade de uma abordagem conjunta dos efeitos da poluição e das mudanças climáticas globalmente. Ao mesmo tempo, as conclusões do estudo apontam para a necessidade de se formular políticas internacionais para diminuição dos riscos decorrentes tanto da poluição tóxica, quanto do aquecimento global.

Com informações do Phys

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!