Após a conclusão da análise ambiental feita pela Administração Federal de Aviação (FAA) dos EUA na nova base de lançamento da SpaceX, a Starbase, os preparativos para o primeiro teste de voo orbital da Starshipse intensificaram. A expectativa era de que o complexo veicular de 120 metros de altura finalmente pudesse decolar em agosto.

Ilustração artística de um voo orbital da Starship. O teste de voo orbital do complexo veicular da SpaceX não deve acontecer tão cedo. Imagem: Aleksandr Kukharskiy – Shutterstock

Embora a licença de espectro de rádio tenha sido emitida pela Comissão Federal de Comunicações dos EUA (FCC) na quarta-feira (10), essa não é a única aprovação necessária para autorização do voo.

A SpaceX ainda está aguardando a licença para o lançamento, documento regulatório que deve ser expedido pela FAA – o mesmo órgão responsável pela concessão da licença ambiental da Starbase, conforme dito acima (e que levou quase seis meses para ser concluída).

Diante disso, a empresa aeroespacial de Elon Musk está mirando o dia 1º de setembro para o lançamento da tão esperada missão, com datas de backup que vão até março de 2023. 

publicidade

A própria FCC fez questão de alertar sobre isso em sua conta no Twitter, ao anunciar a aprovação da licença de espectro de rádio. “Lembrete, isso não é o mesmo que uma licença de lançamento. É uma licença de rádio específica para os veículos de teste e não indica uma mudança de status. Por favor, não faça um vídeo do YouTube ou escreva um artigo de 20 mil palavras a respeito”. (ok, FCC, prometemos que este ficará bem menor do que isso)

É importante notar que a data de vencimento do documento emitido pela FCC vai até 3 de janeiro do ano que vem. Portanto, se a licença para o lançamento for despachada após essa data, a SpaceX deve solicitar uma renovação da licença de espectro de rádio. Ou seja, agora é torcer para que as datas se alinhem.

Leia mais:

Propulsor da Starship pega fogo em teste de disparo estático

O colossal complexo veicular consiste em um gigante propulsor de primeiro estágio chamado Super Heavy e uma espaçonave de 50 metros de altura denominada Starship – nome pelo qual todo o conjunto é conhecido. Ambos os elementos são totalmente reutilizáveis e serão alimentados pelos motores Raptor de próxima geração da SpaceX, sendo 33 para o propulsor e seis para a espaçonave.

Ao longo dos últimos anos, diversos protótipos do Super Heavy e da Starship foram desenvolvidos, e a dupla que voará na missão orbital inaugural são o Booster 7 e Ship 24 (S24). 

E a SpaceX já começou a preparar ambos os protótipos para a tarefa. Após um susto com uma breve explosão durante o “spin start test” (teste de início de rotação, em tradução livre), que consiste em colocar para girar os compressores dos 33 motores do Super Heavy simultaneamente, mas sem iniciar uma ignição, a empresa realizou novos testes de disparo estático dos motores na terça-feira (9).

Desta vez, segundo o site Space.com, o Booster 7 acendeu apenas um de seus 33 motores, enquanto a S24 disparou dois de seus seis Raptors.

Percebe-se que ainda há muito trabalho antes que a SpaceX deixe a dupla pronta para um voo orbital — o que significa que nunca foi viável um lançamento em agosto, mesmo que toda a papelada já estivesse em ordem.

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!