Cientistas descobriram que duas vacinas experimentais contra malária são seguras para seres humanos. Uma delas, inclusive, foi capaz de retardar a replicação do parasita da doença na corrente sanguínea dos participantes do estudo clínico.

As vacinas foram testadas em fase 1 e ainda é necessário mais pesquisa para entender completamente essas imunizações e a resposta imunológica humana.

Leia mais:

No entanto, a comunidade de pesquisa da malária já está animada com os resultados preliminares, pois se as vacinas continuarem demonstrando eficácia nos estudos clínicos futuros, poderão ser desenvolvidas como vacinas aprovadas.

publicidade

As vacinas

  • Ambas as vacinas foram desenvolvidas para prevenir a infecção pelo Plasmodium vivax, uma das principais espécies de parasitas da malária.
  • Malaria é uma doença causada por protozoários transmitidos pela picada do mosquito fêmea Anopheles.
  • OP. vivax é o segundo maior causador de malária e também o mais geograficamente disseminado, causando aproximadamente 4,5 milhões de casos em 2020.
  • As vacinas foram projetadas para atacar diferentes estágios do ciclo de vida do parasita, visando especificamente a proteína de ligação Duffy do P. vivax.
  • Essa proteína é encontrada na superfície das células vermelhas do sangue e funciona como porta de entrada para o parasita, permitindo a infecção.
  • Nos estudos clínicos, as vacinas mostraram ser seguras e os voluntários vacinados apresentaram evidências de resposta imunológica.
  • Em testes controlados, uma das vacinas também reduziu a taxa de multiplicação do P. vivax em 51% quando administrada em um regime de dosagem atrasada.
  • Os estudos clínicos demonstraram que as vacinas utilizadas foram seguras e não houve eventos adversos graves.
  • Esses resultados são encorajadores e indicam que as vacinas podem ser uma solução promissora para o combate à malária, uma doença que afeta milhões de pessoas em todo o mundo.

Desafios da malária e esperança de vacina

  • A malária é uma doença desafiadora, pois os parasitas são capazes de completar um ciclo de vida complexo em dois hospedeiros diferentes: mosquitos fêmeas e seres humanos.
  • O controle do P. vivax é particularmente difícil devido à sua capacidade de formar estágios dormentes no fígado, que podem reativar e levar a reinfecções.
  • Além disso, a produção de gametócitos (células sexualmente maduras do parasita) ocorre mais cedo na infecção por P. vivax, o que resulta em transmissão mais rápida.
  • Os resultados promissores dessas vacinas chegam enquanto o Gana se tornou o primeiro país a aprovar outra vacina contra malária, desenvolvida pela Universidade de Oxford, para prevenção da infecção pelo P. falciparum.

Apesar das vacinas testadas atualmente serem baseadas em fórmulas antigas, a equipe de pesquisa acredita que abordagens mais modernas, como a utilização de plataformas de RNA mensageiro personalizado, podem ser exploradas para direcionar ainda mais a proteína Duffy do P. vivax.

Com informações de Medical Xpress.

Já assistiu aos novos vídeos no YouTube do mypokercoaching? Inscreva-se no canal!