Na última segunda-feira (11), a Epic games conseguiu uma vitória importante na briga judicial contra o Google. Um júri decidiu que a gigante de buscas detém monopólio ilegal com a sua loja de aplicativos, a Play Store.

A big tech também preferiu fechar um acordo multimilionário em outra ação antitruste movida em 2021. Como resultado, terá que adotar mudanças nas suas práticas, pelo menos nos Estados Unidos, além de desembolsar US$ 700 milhões.

O que aconteceu

  • O acordo chega após anos de disputa em uma ação coletiva movida por estados americanos e consumidores dos EUA.
  • Do total, US$ 629 milhões serão destinados a consumidores que possam ter pago a mais por aplicativos ou compras finalizadas pela Play Store (ou Google Play).
  • O principal ponto de discussão do processo é justamente o suposto monopólio do Google na distribuição de aplicativos no Android pela Play Store.
  • A big tech divulgou os termos do acordo hoje.
Google Play
(Imagem: sdx15 / Shutterstock)

Leia mais:

Principais mudanças

Mais formas de pagamento na Play Store

A maior mudança é muita aguardada por desenvolvedores: a opção de oferecer métodos de pagamentos alternativos para transações realizadas em aplicativos, algo que começou em novembro passado por meio de um programa piloto. A empresa confirmou que irá expandir a disponibilidade do recurso.

publicidade

Segundo os termos do acordo, desenvolvedores poderão mostrar diferentes custos de uma compra no aplicativo com base no método de faturamento escolhido pelo cliente.

O mesmo programa já está disponível para desenvolvedores de jogos na Coreia do Sul e será lançado também na Europa no início de 2024.

Instalação mais simples de aplicativos de terceiros

O Google também confirmou que simplificará o processo de sideload, ou seja, de instalar aplicativos de fora da loja oficial (ou de “fonte desconhecidas”). Atualmente, o processo envolve alguns passos: primeiro, o Android exibe um pop-up de segurança, em seguida uma nova tela de configuração aparece antes de conseguir finalizar a instalação.

Agora, segundo o acordo, o Google terá que combinar tudo na mesma tela e não poderá alterar o procedimento por pelo menos cinco anos.

Como parte do nosso acordo, simplificaremos ainda mais o processo de sideload e atualizaremos a linguagem que informa os usuários sobre os riscos potenciais

Wilson White, vice-presidente de Assuntos Governamentais e de Desenvolvimento de Negócios do Google, em comunicado

O Google também destacou em postagem oficial que o Android 14, versão mais atual do sistema, também facilitou o processo de atualização de aplicativos de terceiros.