A justiça da Rússia determinou que o Google, da Alphabet, pague uma multa de 4,6 bilhões de rublos. A quantia equivale a cerca de 50 milhões de dólares, ou aproximadamente R$ 245 milhões. Segundo a agência de notícias Tass, a empresa foi punida por não ter excluído supostas informações falsas sobre a guerra na Ucrânia.

Leia mais

A imprensa russa ainda afirmou que a punição foi imposta devido ao fato de o Google não ter removido “conteúdo extremista” e a distribuição do que Moscou chama de “propaganda LGBT”. O valor da multa foi calculado como uma parcela do faturamento anual da empresa no país.

O Google ainda não se pronunciou sobre a decisão. As informações são do UOL.

publicidade

Relação conflituosa

A condenação do Google é mais um capítulo de uma intensa disputa entre as autoridades russas e as grandes empresas de tecnologia. O impasse envolve desde a criação de conteúdo até a divulgação de dados, muitas vezes censurados pelo Kremlin.

A relação entre as partes piorou ainda mais depois da invasão russa à Ucrânia, em fevereiro de 2022. Desde então, o governo russo exige que o Google exclua conteúdos relacionados ao conflito e considerados ilegais pelos russos. Por outro lado, o Kremlin acusa a empresa de restringir o acesso a meios de comunicação ligados ao governo do país no YouTube.

No entanto, ao contrário do X (antigo Twitter) e das plataformas da Meta(FacebookeInstagram), as operações da Alphabet não foram bloqueadas em território russo.

Antecedentes envolvendo o Google

  • Em maio deste ano, um tribunal russo já havia multado o Google em US$ 38,6 mil, aproximadamente R$ 193 mil, por não excluir vídeos do YouTube que, segundo as autoridades russas, promovem “propaganda LGBT” e “informações falsas” sobre invasão à Ucrânia.
  • Já em junho, a Rússia proibiu o acesso de usuários ao Google Notícias, um agregador de notícias que costuma vir pré-instalado em celulares e tablets com Android.
  • O bloqueio da plataforma ocorreu após o presidente Vladimir Putin acusar o grupo de mercenários Wagner de “organizar uma rebelião armada”.
  • Mais recentemente, em novembro deste ano, a Alphabet foi punida após repetidas recusas da empresa em armazenar dados de usuários russos em servidores dentro do país.