O ano de 2024 será marcado pela realização de diversos processos eleitorais pelo mundo. Entre eles, uma das mais disputadas e polêmicas eleições presidenciais da história dos Estados Unidos. E para se preparar para o pleito, o Google, da Alphabet, informou que limitará os tipos de consultas relacionadas às eleições que seu chatbot Bard poderá responder.

Leia mais

IA e eleições

  • As restrições devem ser aplicadas até o início de 2024.
  • Além da corrida à Casa Branca, ocorrerão no ano que vem as eleições na Índia, a maior democracia do mundo.
  • Já aqui no Brasil acontecem as eleições municipais.
  • Segundo a Alphabet, a decisão de limitar as consultas sobre os pleitos faz parte dos esforços da empresa para “trabalhar com um foco crescente no papel que a inteligência artificial pode desempenhar ao atender eleitores”.
  • As informações são do UOL.
Uso da IA nas eleições presidenciais dos EUA preocupa (Imagem: rafapress/Shutterstock)

Temores sobre o uso da tecnologia

O movimento não é exclusivo da dona do Google. A Meta, proprietária do Facebook, informou em novembro deste ano que proibirá campanhas políticas e anunciantes de outros setores regulamentados de usar seus novos produtos de publicidade com IA generativa.

Os anunciantes na Meta também terão que divulgar quando utilizaram a inteligência artificial ou outros métodos digitais para alterar ou criar anúncios políticos, sociais ou relacionados às eleições no Facebook e Instagram.

publicidade

Por outro lado, o X, antigo Twitter, passou a permitir a publicidade política nos EUA de candidatos e partidos políticos. A decisão foi adotada após a aquisição da rede social por Elon Musk e reverteu a proibição em curso na plataforma desde 2019.

O uso da IA em período eleitoral é motivo de polêmica em razão dos riscos relacionados ao aumento das fake news sobre eleições. Além disso, governos de todo o mundo têm se mobilizado para regular o uso da tecnologia.

Recentemente, pesquisadores descobriram que chatbots como o Copilot, da Microsoft, dão respostas imprecisas em uma em cada três perguntas básicas sobre eleições. As imprecisões incluíam dar a data errada para o pleito, relatar números de pesquisas desatualizados ou equivocados, listar candidatos que haviam se retirado da corrida eleitoral e inventar controvérsias sobre candidatos em alguns casos.