As primeiras estrelas do universo são mais antigas que as primeiras galáxias, tendo uma formação de cerca de 50 a 100 milhões de anos após o Big Bang. Sabe-se que esses objetos celestes deram fim à Idade das Trevas do Universo, mas o conhecimento sobre elas ainda é escasso.

A falta de informações sobre as primeiras estrelas do Universo foi uma das motivações para a construção do telescópio espacial James Webb, como explica um artigo recente do Universe Today. Isso porque ele tem uma luz excelente para realizar observações com infravermelho, e, dessa forma, o telescópio já até conseguiu localizar algumas das primeiras galáxias do Universo.

Leia mais:

Agora, o objetivo dos astrônomos é detectar as primeiras estrelas, conforme descrito no novo estudo do Departamento de Física e Astronomia da Universidade Uppsala (Suécia) intitulado de “A detecção e caracterização de estrelas altamente ampliadas com JWST: Perspectivas de encontrar a População III”.

publicidade

Nessa pesquisa, os autores explicam que o James Webb será usado para estudar as primeiras estrelas do Universo, conhecidas como “Population III” (“População III”) que tem como característica massas extremamente altas.

Para essa tarefa, o telescópio espacial utilizará lentes gravitacionais, uma distorção do espaço-tempo que permite enxergar um aglomerado de galáxias muito distantes.

As lentes gravitacionais podem tornar estrelas individuais de grande massa detectáveis ​​até distâncias cosmológicas, e várias estrelas extremamente ampliadas foram detectadas nos últimos anos…

Trecho do estudo.

Como explica o artigo do Universe Today, se o James Webb conseguir utilizar as lentes gravitacionais para observar a região, ao invés das belas fotos que estamos acostumados, ele fornecerá evidências observacionais e dados importantes sobre um período primitivo do Universo conhecido como “Era da Reionização” (EoR).